A+ A A-

Universidade pública no sábado: alunos e professores participam da iniciativa atletas saudáveis, das Olimpíadas Especiais

Universidade pública no sábado: alunos de graduação e pós-graduação e professores participando da sessão de promoção de saúde dos atletas das Olimpíadas Especiais. Os atletas receberam atendimento de voluntários especialistas em nutrição, fisioterapia e odontologia - e ainda hoje participarão de jogos de futsal e tênis de mesa.

A parceria da Profa Andréa Maculano Esteves com a ARIL Limeira permite aos alunos das disciplinas de Esportes Adaptados, do curso de Ciências do Esporte, o contato próximo com os atletas e suas famílias, oportunidade essencial para suas formações. "Através dessa parceria em breve vamos também passar a oferecer uma capacitação para os alunos e toda a população de Limeira, a partir da qual serão formados técnicos de atletas especiais", informa a professora. 

 

20181201 124207

20181201 101628

20181201 125428

20181201 100730

20181201 105318

20181201 101513

20181201 105036

20181201 101728

Cine Vagalume: confira programação de dezembro

Confira a programação de dezembro no Cine Vagalume e venha para o cinema! As sessões são sempre gratuitas, abertas ao público, e muitas vezes acompanhadas de debates.  

 

Merry

8º Edição do Programa Aluno-Artista traz programação para Limeira

 

Nos dias 27 e 29 de novembro, projetos da 8º Edição do Programa Aluno-Artista se apresentarão nos campi da Faculdade de Tecnologia (FT) e da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) em Limeira. É um momento importante para os alunos apresentarem suas iniciativas artísticas para outras cidades divulgando de forma mais ampla os projetos em que estão atuando. Para os espaços que recebem essa mostra dos projetos, é uma oportunidade de conhecer os trabalhos de arte apoiados pelo Serviço de Apoio ao Estudante (SAE) e pela Pró-Reitoria de Graduação (PRG), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), através do Programa Aluno-Artista. Acreditamos que este evento servirá de incentivo, aos alunos destes campi, para apresentarem propostas e desenvolverem projetos de arte e cultura.

Na FT as apresentações ficam por conta dos projetos Meu Corpo no Mundo e Tumbuluku, que farão, respectivamente, uma performance e um show, no dia 27 de novembro, às 18h, na entrada do prédio do auditório, ao ar livre, com o público ocupando as escadarias de acesso.

No dia 29 de novembro, na FCA, estão previstas apresentações de Dança e Performance na marquise central e na esplanada entre os edifícios. A partir das 17h acontece, no Cine Vagalume – sala de cinema da faculdade, espaço projetado e dedicado para a apreciação da sétima arte- a exibição dos curta-metragens: Fios da Resistência, No Fim-Da-Estrada e Marias dos Retalhos, seguida de debate com os diretores.


Confira a programação:

Faculdade de Tecnologia (FT Unicamp)

27/11 das 18h00 -19h00

"Meu Corpo no Mundo | “Meu corpo no mundo” busca desenvolver uma série de intervenções performáticas pensadas para os espaços públicos do campus através de uma pesquisa sobre a ocupação de um corpo feminino negro no espaço e suas leituras performativas na esfera pública. Alunas-Artistas: Mayra Hazeu e Helena Franco. 

Tumbuluku | A proposta do grupo é através da música autoral buscar uma nova estética de música instrumental fortemente aliada aos elementos musicais de África, de Moçambique em particular a polirritmia, o conceito de looping e a sobreposição de camadas. Um leque de composições autorais que permeiam o universo da World Music atrelado à música afro brasileira, bem como elementos estilísticos do Jazz e da música moderna. Alunos-Artistas:Otis Selimane Remane, Guilherme Marcheto, Caio Celli Caria, Nicolas Felipe Silva. Giovanni Della Guardia, Vitor Coelho, Rafael Mendes, Wendel Silva, Adriel Job e Henrique Cesar Aoki Heredia.

Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA Unicamp)

29/11 das 12 às 14 horas

Morganas | Morganas busca traçar caminhos de ocupação de espaços públicos através da linguagem da performance. Parte-se de um questionamento sobre a identidade feminina, explorando a corporalidade do vestir, ressignificando seus corpos por texturas, estados e qualidades. Alunas-Artistas: Iara Medeiros, Hellen Marques, Sofia Calil Cruz e Rubia Amaral.
 

Dois na Praça | O projeto “Dois na Praça – Música Instrumental para todos” resulta de pesquisa da Música Instrumental Brasileira Contemporânea, a partir de uma estética composicional popular moderna e genuinamente brasileira, atrelada ao universo da improvisação. Alunos-Artistas: Pedro Matsuda e Léo Cappi.
 

Mira | Dança instigada pelo conceito da física de que “dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo” e também a partir de trechos da música “Encontro”, de Luiz Tatit. Alunos-Artistas: Victor Lourenço de Almeida , Ana Laura Queiroz, Natália Bíscaro, Amanda Negrão, Ana Carolina Nader, Audrey Lyra, Beatriz Borghi, Bruno Harlyson, Carolina Gasquez, Giovanna Herrera, Letícia Bergamo, Luciana Canepa, Luíza Tasinaffo, Natália Bíscaro, Thaís Esteves e Thayná Cardoso.

Das 17 às 19 horas

Mostra com debate dos filmes:

- Fim da estrada | Sob o título “No fim-da-estrada” é um curta-metragem de aproximadamente 15 minutos, que trata sobre a solidão do homem da roça, introspecto nos anseios de preencher seus vazios existenciais a partir de narrativas fantásticas perpassadas oralmente na forma de lendas. A partir da realização deste curta, será organizada uma exposição artística com registros do processo criativo e deprodução do filme. Alunos Artistas: Matheus Augusto Zago Ribeiro, Victor Pereira da Silva Lopes, Alessandra Bortoletto Consorti, Lígia Zeid e Felipe Castro.

 - Marias do Retalho | Documentário de curta duração na oficina Maria Retalho, localizada em uma ONG de medidas socioeducativas em Campinas. Essa oficina é composta por mães de jovens infratores que passaram pela medida socioeducativa ou pelos cursos profissionalizantes. Da parte social, a ideia é mostrar por meio do audiovisual o cotidiano delas nas oficinas e suas trajetórias como mães na periferia. Alunos-Artistas: Ana Carolina Kazue Inada, Bruno Costa dos Santos e Beatriz Marques da Silva.

 - Fios da resistência | Documentário que trata da importância do cabelo na formação identitária e política da mulher negra e como as redes sociais (Facebook, Instagran, YouTube) são uma ferramenta de apoio e incentivo no processo de transição capilar. O filme reúne uma série de relatos pessoais de mulheres negras que ressignificam sua identidade a partir dos cabelos. Assim, para todas as participantes as redes sociais tiveram uma grande influência nesse processo. Alunos-Artistas: Thayná Desyrée Silva, Larah Camargo Barbosa, Nathália Luanna Martins e Rafael Silva Barreto.

 

 

Folder 3 1

Folder 3 2

Retratos do bimestre: confira o cotidiano da Faculdade através de fotos

Divulgar o cotidiano de alunos, funcionários e professores através de fotos é o objetivo da seção Retratos do Bimestre - Nossa História Cotidiana em Imagens, publicada em cada edição da FCA Abre Aspas, revista eletrônica da Faculdade - as fotos abaixo foram publicadas na nº 17/agosto-setembro. A 18ª edição da revista (outubro/novembro) será divulgada logo mais, aguardem!

 

1
Reunião em agosto, na Faculdade, com o Secretário de Meio Ambiente e Agricultura de Limeira sobre o plantio de 300 mudas de árvores no campus, uma das ações comemorativas dos 10 anos da FCA.

 

2.1
Paisagem da Faculdade em foto do aluno João Vitor J. Costa

11
Funcionário Márcio Antônio Alves Ferreira em sua mesa na Diretoria de Pesquisa e Extensão

 

13

Funcionárias Bruna Fernanda Ribeiro Lopes (em primeiro plano), da Diretoria de Ensino, e Priscila Halley Oliveira Vendrametto, da Área de Gestão Documental

 

19

Funcionários, estagiários e bolsistas da Biblioteca Daniel Hogan.

 

22

Funcionários e estagiários da Área de Gestão de Suprimentos, responsável por gerenciar os processos de compras, almoxarifado e patrimônio da Faculdade

23

Thaís Aparecida Polydoro de Souza Cirilo, secretária da Diretoria, e o estagiário Guilherme Lima da Silva, aluno do curso de Administração 

 

27

Mesa de abertura do II Encontro dos Programas de Pós-Graduação da Faculdade contou com a presença do reitor da Unicamp, Prof. Marcelo Knobel

 

30

Alunas de pós-graduação apresentam suas pesquisas durante o II Encontro dos Programas de Pós-Graduação da FCA

 

31

Comissão de alunos e professores organizadores do II Encontro dos Programas de Pós-Graduação da FCA

34

Professores do curso de Administração recebem Antônio Carlos Gastaud Maçada (de terno azul), atual presidente da ANPAD – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração

 

Trabalhando com pesquisa: quem são e o que fazem os bolsistas CAPES da FCA

A Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp é o local de trabalho de 33 alunos pesquisadores que recebem bolsas de mestrado (R$ 1.500,00) ou doutorado (R$ 2.200,00) da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) para desenvolver aqui suas investigações científicas.

Muitas vezes, a dedicação às pesquisas pode consumir até mesmo mais do que 40 horas semanais, já que a rotina destes cientistas normalmente inclui assistir e ministrar aulas, realizar inúmeras leituras, desenvolver experimentos em laboratórios, fazer trabalho de campo, coletar e tabular dados, escrever artigos científicos, participar de grupos de estudos e reuniões com orientadores, apresentar trabalhos em congressos e escrever e rever incontáveis vezes suas dissertações ou teses, entre outras atividades. Ainda assim, no Brasil, a profissão de cientista não é reconhecida e, portanto, nenhum bolsista CAPES recebe 13º salário, férias ou se beneficia de qualquer outro direito trabalhista. Muita gente que não vivencia a academia, inclusive, pensa que pós-graduação não é trabalho.

 

“No Brasil, a profissão de cientista não é reconhecida e, portanto, nenhum bolsista recebe 13º salário, férias ou se beneficia de qualquer outro direito trabalhista. Muita gente que não vivencia a academia, inclusive, pensa que pós-graduação não é trabalho”.

 

Como se não bastasse, os investimentos governamentais em ciência e tecnologia estão experimentando cortes drásticos atualmente, provocando manifestações inéditas das principais agências de fomento à pesquisa científica e formação de pesquisadores brasileiros, como a própria CAPES e o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Veja neste link a nota da CAPES sobre o que ocorreria caso os cortes no orçamento da agência fossem realmente efetivados (o governo voltou atrás após manifestações) e veja neste outro link a carta aberta do CNPq, intitulada “A Ciência Brasileira está em Risco” (ambos os documentos são de agosto/2018).

 Levando esse cenário em consideração e com o objetivo de divulgar quem são e o que fazem os alunos de pós-graduação da Faculdade, entrevistamos alguns deles para 17ª edição da da revista FCA Abre Aspas, divulgada no final de setembro (confira a edição completa neste link). 

Veja alguns depoimentos:

 

FOTO 4 VENDERLEIA
Vanderléia de Souza da Silva, 34 anos, doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Administração 

 

Estudo a eficiência dos gastos públicos municipais. No mestrado estudei essa eficiência para os gastos públicos municipais em saúde no estado do Paraná. Já no doutorado, estudo a eficiência dos gastos públicos dos municípios brasileiros com a promoção do bem-estar dos munícipes, em relação aos investimentos em saúde, educação, segurança, habitação e transporte.”

Com essa pesquisa busco demonstrar quais são os municípios mais eficientes na promoção do bem-estar e encontrar fatores intervenientes (fatores exógenos – aqueles que não estão diretamente relacionados à gestão pública, como, por exemplo, economia, renda dos cidadãos, ocorrência de doenças, etc.), para dirimir seus impactos, auxiliando os gestores públicos no processo de tomada de decisão para melhor alocação dos recursos no futuro.

Dedico 24 horas semanais no desenvolvimento das atividades do curso e pesquisas, e 16 horas semanais assistindo as disciplinas. Se a minha bolsa fosse cortada teria que reduzir a carga horária de atividades e pesquisas para 4 horas semanais e apenas cursar duas disciplinas por semestre (8 horas semanais), devido ao fato de ter que dedicar tempo na preparação de aulas e na atuação como professora universitária.”

 

foto 2 Carol

Carolina Silva Freixo, 26 anos, formada em Gestão de Políticas Públicas, mestranda do Programa de Mestrado em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas

Meu mestrado é sobre sobreposições territoriais de terras indígenas ou quilombolas com áreas protegidas (unidades de conservação ambiental). Há uma relevância porque estou tentando construir esta categoria das sobreposições, para olhá-la a partir de conceitos já estabelecidos, como território, políticas públicas e o conceito de população. Para embasar essa teoria, pesquiso a cidade de Santarém, no Pará, onde há sobreposições para serem mapeadas. Tento compreender como elas se dão, as instâncias políticas envolvidas, se há falta de legislação, etc. É um tema pouco estudado e que aponta certas fragilidades e interesses englobados nessa questão.

Passo uma boa parte do meu tempo tentando ler toda bibliografia que me dispus a ler e dando aulas no cursinho Colmeia. Uns dias são para a dissertação, outros para as disciplinas e muitos para a escrita do trabalho, pelo menos oito horas por dia, pois qualifiquei em agosto e tenho seis meses para defender.

Fiquei muito apreensiva quando soube da notícia da possibilidade do corte das bolsas, porque elas são essenciais para manter a pesquisa viável, ainda que não passem por nenhum tipo de reajuste. Tudo isso me preocupa muito porque a universidade já esta sendo sucateada e, com a perda das bolsas, o sucateamento só aumentaria. Fiquei imaginando se conseguiria fazer um doutorado, pois eu me sustento com a bolsa, ela é essencial para que eu possa manter os estudos. Sinto bastante angústia de não saber o que vai realmente acontecer nos próximos momentos”.

 

foto 1 keyla

Keyla Ketlyn Passos Pimenta, 29 anos, advogada, mestra Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Administração.


"Minha pesquisa versa sobre o desenho das práticas inovadoras do Poder Judiciário no Brasil. Trata-se de um tema relevante uma vez que a inovação ocupa lugar central na “economia baseada no conhecimento”. Falamos de um processo de valor estratégico que pode ocorrer em qualquer setor da economia, sendo particularmente importante para o setor público. Porém, pouco se sabe sobre a inovação nos setores não orientados ao mercado, sobretudo no se refere ao Poder judiciário. Estudos acadêmicos sobre inovações introduzidas em órgãos do judiciário ganharam destaque apenas nos últimos anos e são ainda incipientes. Ainda, o poder judiciário tem ocupado um papel protagonista no Estado contemporâneo e suas atividades têm sido ineditamente tratadas sob um ponto de vista gerencial, sobretudo em razão da Emenda Constitucional nº 85, que impulsionou a elaboração de programas em gestão e inovação com vistas ao melhoramento da eficiência desse poder na entrega da prestação jurisdicional ao cidadão.

Durante os dias da semana, com exceção dos horários em classe, fico nas dependências do Laboratório de Estados do Setor Público (LESP), do qual faço parte e em que há um ambiente tranquilo, bem como acesso ao acervo e outros materiais necessários às atividades de pesquisa. Entretanto, as atividades de pesquisa demandam um alto grau de concentração e criatividade sendo, por vezes, pouco lineares, o que exige do profissional alguma maleabilidade nos horários de trabalho (finais de semana e madrugadas por exemplo). Eventualmente também vou a campo para coleta de dados.

Recebi com pesar a notícia sobre a possibilidade de corte das bolsas. Por um lado, os profissionais do campo já enfrentam dificuldades dada a não regulamentação da profissão de pesquisador/cientista, que é remunerada com o que chamamos de bolsa, modalidade especificamente pensada para afastar quaisquer benefícios de cunho trabalhista. As bolsas disponibilizadas pelas CAPES fazem parte de um reduzido rol de recursos voltados à manutenção das atividades de pesquisa junto às universidades públicas no país. Nesse sentido, a notícia representou uma possibilidade de sucateamento ainda maior das atividades de pesquisa, cujos profissionais percorrem uma longa e, por vezes, tortuosa formação. A consolidação da carreira desses profissionais, na maior parte, só ocorre depois de mais de uma década de trabalho e formação, com a entrada na docência via concurso ou instituição privada. Por outro lado, agora sob uma visão mais ampla, também não parece ser do interesse público o desinvestimento nas atividades de pesquisa, sustentada maciçamente polos estudantes de pós-graduação strictu sensu. As atividades de pesquisa são uma questão estratégica tanto para Estado e para o mercado, contribuem diretamente na busca por soluções para problemas de grande severidade nos mais diversos contextos. Posto isso, nada parece justificar o apontamento do corte.

 

foto 3 luis godoy

Luis Bruno de Godoy, 31 anos, ator, cientista do esporte e mestrando do Programa de Mestrado em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas

 

"Entrei em Ciências do Esporte já habilitado em Artes Cênicas e com foco em trabalhar com arte. Durante a graduação, descobri que poderia trabalhar com pesquisas relacionadas ao jogo e, a partir de uma iniciação científica, entrei no Mestrado em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.

Pesquiso a figura do palhaço como um agente responsável por causar afetações. Olho para as relações pessoais e socioculturais na sociedade contemporânea, as quais estão cada vez mais virtuais e vazias, e me pergunto de que formas o palhaço pode ser um instrumento de reflexividade para os indivíduos, ou seja, de que maneiras pode ajudar a fomentar reflexões sobre nossa própria existência e modos de vida. Nós perdemos a capacidade de afetar e de sermos afetados tanto pelos outros como por aquilo que nos circunda e o palhaço entra nestas relações como um possível agente de resgatar estas afetações. Palhaços estão presentes em vários ambientes hoje: teatro, circo, rua, zona de conflito, hospitais, catástrofes ambientais, campo de refugiados...isto porque a atuação do palhaço estimula o olhar para o ser humano. O palhaço expõe todos os seus ridículos, suas mazelas e fracassos para o mundo e serve como um espelho para que a sociedade identifique seus próprios ridículos, mazelas e fracassos, promovendo talvez uma possibilidade de aceitação e retorno à condição humana.

Minha rotina de trabalho envolve escrita e revisão constantes da dissertação, leituras, busca de bibliografia, pesquisa de campo, coleta e tabulação de dados e escrita do diário de campo; transcrição das entrevistas, elaboração de artigos e participação em eventos para apresentar os trabalhos, além das oficinas que elaboro e ministro semanalmente.

É difícil até falar sobre a possibilidade deste corte das bolsas que estava previsto. Mas pra mim, isso já era esperado – é um reflexo da forma de pensar dos nossos governantes. Nosso atual governador não disse para a FAPESP que ela deveria priorizar pesquisas importantes? Então a gente imagina que, para eles, muita coisa é insignificante, coisas que não geram resultados práticos, no entender deles. A notícia foi muito impactante. Se a ciência parar, a crise pela qual o Brasil está passando só tende a piorar...e nós não estamos falando somente daquelas pesquisas que o governador considera irrelevante, estamos falando também da saúde, economia, agronegócio, etc. Nós já sofremos com a má qualidade da educação básica e do ensino médio e, no longo prazo, com o sucateamento do ensino superior e da produção científica, vamos sofrer ainda mais como país”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Subcategorias