A produção científica dos participantes do l-UM divide-se em livros, capítulos de livros, artigos em períodicos, artigos em eventos e publicações on line (web). 

Interdisciplinaridade e métodos mistos

(alguma relação?!)

SILVA JUNIOR, R D. ; D'ANTONA, Álvaro de O. Os métodos mistos e a interdisciplinaridade nas ciências sociais: pragmatismo ou pluralismo paradigmático?. Ideias (UNICAMP), v. 1, p. 87-108, 2013. 

http://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/1642/1135

O artigo testa se a interdisciplinaridade nas ciências sociais associa-se a métodos particulares em artigos científicos. Partindo da hipótese de afinidade entre interdisciplinaridade e métodos mistos, nós buscamos os 30 artigos em ciências sociais mais citados no ISI-WebofScience (1990/2013) com o termo 'mixed methods'. Nós não encontramos menções à palavra "interdisciplinarity" ou a outras similares em tais artigos, o que nos leva a analisar os motivos da não correspondência entre os termos.

 

 

The Sustainable Amazon Network

(LUCC, abordagem interdisciplinar e multiescalar)

GARDNER, T et al. A social and ecological assessment of tropical land uses at multiple scales: the Sustainable Amazon Network. Phil. Trans. R. Soc. B.  vol. 368 no. 1619. 5 June 2013. 

http://dx.doi.org/10.1098/rstb.2012.0166

Science has a critical role to play in guiding more sustainable development trajectories. Here, we present the Sustainable Amazon Network (Rede Amazônia Sustentável, RAS): a multidisciplinary research initiative involving more than 30 partner organizations working to assess both social and ecological dimensions of land-use sustainability in eastern Brazilian Amazonia. The research approach adopted by RAS offers three advantages for addressing land-use sustainability problems: (i) the collection of synchronized and co-located ecological and socioeconomic data across broad gradients of past and present human use; (ii) a nested sampling design to aid comparison of ecological and socioeconomic conditions associated with different land uses across local, landscape and regional scales; and (iii) a strong engagement with a wide variety of actors and non-research institutions. Here, we elaborate on these key features, and identify the ways in which RAS can help in highlighting those problems in most urgent need of attention, and in guiding improvements in land-use sustainability in Amazonia and elsewhere in the tropics. We also discuss some of the practical lessons, limitations and realities faced during the development of the RAS initiative so far.

 

População em UC no Amazonas

(estimativa por método de agregação de dados)

DAGNINO, Ricardo; BUENO, M.; D'ANTONA, Álvaro de O.; CORREA, H. População dentro de Unidades de Conservação Federais no Estado do Amazonas, Brasil. Olam: Ciência & Tecnologia, v. 13, p. 356-374, 2013. 

https://www.researchgate.net/publication/260311812 

Este artigo apresenta os procedimentos e resultados da estimação da população em Unidades de Conservação (UC) federais do Estado do Amazonas com base nos dados da Contagem Populacional 2007. Adotou-se abordagem híbrida, utilizando-se técnicas de agregação (bottom-up) conjuntamente com técnicas de desagregação (top-down), para montagem de grade estatística para a representação espacial e análise das informações sobre as pessoas residentes em domicílios. Realizamos uma análise geral e comparativa das UCs do Amazonas e, desta, direcionamos o foco para a Reserva Extrativista do Médio Juruá (REMJ), localizada no município de Carauari, para uma perspectiva interna à unidade. O trabalho representa um avanço nos estudos de população em Unidades de Conservação em função dos resultados obtidos e da possibilidade de replicar a metodologia apresentada.

 

População em unidades de conservação

(uma estimativa através de grade estatística)

D'ANTONA, Álvaro de O.; BUENO, MCD ; DAGNINO, RS. Estimativa da população em unidades de conservação na Amazônia Legal brasileira: uma aplicação de grades regulares a partir da Contagem 2007. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 30, p. 401-428, 2013. 

Neste artigo é testado um método para aumentar a resolução de dados censitários e apresentá-los agregados em uma grade regular. A metodologia empregada é composta pela agregação dos domicílios representados por suas coordenadas geográficas obtidas pela Contagem da População do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2007 e pela desagregação dos dados por setor censitário utilizando proporcionalidade de área. Os dados assim gerados foram usados para estimar a população residente em 114 unidades de conservação da Amazônia Legal brasileira, criadas até 2006, de modo a testar a metodologia em unidades territoriais que não seguem os limites político-administrativos, nem aqueles das unidades territoriais de coleta utilizados pelo IBGE. Esta metodologia também contribui para os estudos de população em áreas protegidas, dada a escassez de estimativas do volume da população em unidades de conservação. Os resultados mostraram uma população nas unidades selecionadas de 325.398 habitantes, sendo 297.693 em unidades de Uso Sustentável e 27.705 em unidades de Proteção Integral; no entorno estimou-se uma população de 1.020.237 habitantes. Apesar de limitações inerentes ao uso da Contagem 2007, a agregação de dados em grades revela-se como uma metodologia bastante promissora, tendo em vista os avanços no emprego das geotecnologias por parte do IBGE desde então. A grade minimiza problemas observados no uso de unidades administrativas ou de coleta para a espacialização dos dados censitários e apresenta-se como uma abordagem com grande potencial de aplicação na Demografia e em outras áreas do saber.

Palavras-chave: Grades regulares. Amazônia Legal brasileira. Unidades de conservação. Estimativa da população.

 

Mapa Interativo do Mosaico de Áreas Protegidas do baixo rio Negro (MBRN)