A+ A A-

O Programa (ICHSA)

Início | Áreas de ConcentraçãoDiscentes | DocentesDisciplinas | Como ingressar |Documentos |

 imagemichsa

Área de Avaliação: Interdisciplinar, Sociais & Humanidades
Nível do curso: Mestrado
Situação do curso: Recomendado pela CAPES 
Previsão de abertura de inscrições: anualmente em outubro-novembro 
Total de créditos para titulação: 26
Periodicidade da seleção: anual
Vagas por seleção: 20

O “Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas” parte da necessidade do tratamento interdisciplinar dos problemas contemporâneos para construir linhas de compreensão que lancem mão das teorias e metodologias adequadas para a solução dos problemas estudados. A área de concentração “Modernidade e Políticas Públicas” delimita ao mesmo tempo o contexto teórico-metodológico de discussão (a modernidade ocidental e sua forma de produção de conhecimento e da relação sociedade-natureza mediada pela tecnologia) e o campo de aplicações, o das políticas públicas.

O curso se estrutura a partir do reconhecimento das limitações das aplicações disciplinares no enfrentamento de grandes questões contemporâneas. Propõe-se a combinação de métodos e conceitos, no campo interdisciplinar das ciências humanas e sociais, que viabilizem análises através de escalas e campos, e que propiciem aplicações para o campo das políticas públicas. Partindo da compreensão das mudanças sociais, ambientais e tecnológicas promovidas pela modernidade, o curso se direciona para a formulação de conhecimento aplicado a partir de uma sólida base teórica sobre a produção e a difusão do conhecimento e suas relações com a sociedade.

Uma das características marcantes dos esforços interdisciplinares é que os temas e seus objetos são frutos de problemas contemporâneos, resultados deste estágio da modernidade, em que as relações entre natureza e cultura, ou ambiente e sociedade, permeiam de tal maneira a vida social, em todas as escalas, que é impossível dissociá-las das demais esferas. A mediação da tecnologia, influenciando todas as dimensões e, em muitos casos, a própria natureza da relação, reclama uma abordagem interdisciplinar para enfrentar os problemas teóricos e práticos da sociedade contemporânea.

Estes problemas são, ao mesmo tempo, fruto de questões históricas e essenciais da condição humana e de sua relação com o conhecimento, com a natureza e com a cultura; e uma consequência das mudanças ambientais e sociais oriundas das novas configurações introduzidas pela tecnologia e pelos arranjos socioespaciais e políticos do mundo contemporâneo. Estas mudanças têm colocado as humanidades e as ciências sociais no centro do debate, entendendo-se que é necessário uma retomada do pensamento humanístico orientado à resolução de problemas e à formulação de políticas públicas.

Estas questões são latentes nos grandes temas contemporâneos, foco do mestrado, como as mudanças ambientais globais, regionais e locais, que produzem repercussões de curta, média e longa duração que precisam ser avaliadas em termos da sustentabilidade: a premência da compreensão da vulnerabilidade das populações, instituições, cidades e ecossistemas, e suas múltiplas dimensões (sociais, ambientais, políticas, econômicas, etc.); as tecnologias para a inclusão social enquanto alternativas de desenvolvimento; os problemas concernentes à produção científica contemporânea e suas relações com a sociedade, tanto em termos epistemológicos quanto políticos e institucionais; uma retomada da discussão sobre ética no contexto da cidadania na sociedade contemporânea, globalizada e altamente tecnificada; além das questões em torno da formulação de políticas públicas em cada um destes casos.

A interdisciplinaridade tem se mostrado como um meio para a resposta para todas estas questões, posto que elas transcendem em muito o escopo das disciplinas constituídas. Esta demanda tem conduzido a um esforço duplo de constituição de um campo interdisciplinar em torno de temas específicos, de um lado, mas também entre as áreas do saber, de outro.

A fragmentação à qual nos referimos aqui não é verificada, contudo, apenas no âmbito estritamente acadêmico. Ela é igualmente presente no contexto da formulação, implementação e avaliação de políticas públicas, em que problemas complexos são frequentemente abordados a partir de perspectivas disciplinares. Com isso, muitas das estratégias de intervenção concebidas acabam se mostrando pouco efetivas em relação à mudança que buscam induzir.

O programa parte do entendimento de que as ciências humanas e sociais aplicadas constituem um campo interdisciplinar orientado à compreensão dos processos de mudanças ambientais, sociais e tecnológicas implicados na promoção da sustentabilidade e da proteção social (uma das linhas de pesquisa) e das questões relativas à condição humana na modernidade e suas implicações para as políticas públicas (a segunda linha de pesquisa). No entorno deste campo, reúnem-se não apenas pesquisadores oriundos das disciplinas das humanidades e sociais, mas também outros oriundos das ciências naturais, biológicas ou exatas que buscam a integração dos conhecimentos.

Esta foi a orientação na constituição do primeiro centro de pesquisa da Faculdade de Ciências Aplicadas, o Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (CHS), que promove a reflexão e a pesquisa em humanidades com o propósito de superar limitações disciplinares por meio do diálogo interdisciplinar. A constituição das ciências humanas e sociais, no século XIX, seguiu a tendência de fragmentação, responsável pelo esfacelamento do sujeito e impossibilidades políticas e teóricas de compreensão integrada da sociedade, da condição humana e de seus dilemas. Por isso a necessidade de buscar estratégias de abarcar a complexidade, o que implica formas de transgredir as fronteiras disciplinares, seja pela multi, a inter ou a transdisciplinaridade.

As atividades de pesquisa articuladas pelos docentes do programa estão articuladas especialmente pelo CHS e seus laboratórios, bem como de outros laboratórios da FCA, entre os quais: “Urbanização e Mudanças no Uso e Cobertura da Terra”, “Laboratório de Geografia dos Riscos e Resiliência”, “Laboratório de Promoção e Educação em Saúde”, “Laboratório de Economia e Gestão”, “Laboratório de Tecnologia, Sociedade e Democracia”, “Laboratório de Educação Interdisciplinar”, “Laboratório de Psicologia, Saúde e Comunidade”, “Laboratório de Estudos do Setor Público”, "Laboratório de Ergonomia" e “Laboratório Ética, Mente, Linguagem” (a ser criado).

Informações sobre o processo seletivo podem ser obtidas clicando aqui.

 

Colegiado do Programa 

Profa. Dra. Adriana Bin
Prof. Dr. Alvaro de Oliveira D'Antona
Prof. Dr. Carlos Raul Etulain
Profa. Dra. Carolina Cantarino Rodrigues
Prof. Dr. Eduardo José Marandola Junior (Coordenador do Programa)
Prof. Dr. João José de Almeida
Profa. Dra. Julicristie Machado de Oliveira
Profa. Dra. Lais Silveira Fraga
Prof. Dr. Marcio Barreto
Profa. Dra. Marta Fuentes Rojas
Prof. Dr. Mauro Cardoso Simões
Profa. Dra. Milena Pavan Serafim
Prof. Dr. Peter Alexander Bleinroth Schulz
Prof. Dr. Oswaldo Gonçalvez Junior
Prof. Dr. Rafael de Brito Dias
Prof. Dr. Roberto Donato da Silva Júnior
Profa. Dra. Sandra Francisca Bezerra Gemma

 

 Catálogos de Pós-Graduação

 Mais informações sobre a proposta curricular, corpo docente e estrutura de organização do programa podem ser encontradas no Catálogo de Pós-Graduação 2018, no site da Pró-Reitoria de Pós-Graduação.

Catálogo de Pós-Graduação 2017

Catálogo de Pós-Graduação 2016

Catálogo de Pós-Graduação 2015

Catálogo de Pós-Graduação 2014

Catálogo de Pós-Graduação 2013

Catálogo de Pós-Graduação 2012